Veja como empreender em seis passos

29/05/2012

*Por Filomena Garcia

Do UOL, em São Paulo

Empreender com sucesso está longe de ser uma ciência exata. Não existe uma receita perfeita. E, mesmo que existisse, segui-la à risca poderia não ser o suficiente para se obter um ótimo resultado. Não é raro encontrarmos duas pessoas que prepararam a mesma receita e chegaram a resultados bem diferentes.

Para empreender não basta o dinheiro no bolso e a vontade de ter o seu próprio negócio. Grande parte do sucesso, ou fracasso, depende do perfil do empreendedor, de sua habilidade como administrador e principalmente do seu comportamento diante do desafio de ter um negócio.

Apesar dessas particularidades, existem alguns aspectos que todo empreendedor precisa considerar antes, durante ou depois de abrir o seu negócio.

A escolha do negócio

Na hora de escolher qual será o tipo de negócio que você estará à frente, opte por algo com o qual você tenha afinidade ou um certo conhecimento de mercado. Independente do segmento ou serviço escolhido, é muito importante que você se sinta confortável no universo em que irá atuar.

Por isso, na hora de escolher o seu negócio, não olhe apenas o lucro que ele propicia. É mais difícil ser bem sucedido em um segmento com o qual você não tem a menor afinidade.

O modelo do negócio

É importante ter em mente que, independentemente do modelo de negócio escolhido, ele vai implicar em alguns riscos. Não existe um modelo de negócio 100% seguro. Alto ou baixo, o risco sempre existirá. Procure conhecê-lo e entendê-lo muito bem, contrapondo-o com as vantagens do modelo que você elegeu.

O mercado

Informação nunca é demais. Pesquise, converse, pergunte. Tente obter o máximo de informações, saber quais os desafios de se empreender no segmento escolhido. Quem já está há algum tempo à frente de um negócio pode te dar boas ideias, dicas e até contar coisas que você nem imaginava que pudessem acontecer durante a administração de um negócio.

O seu momento de vida

O seu atual momento de vida permite que você se dedique, pelo menos nos próximos dois ou três anos, ao seu novo empreendimento? Esse é o tempo médio que um empreendimento leva para “amadurecer” e que você leva para ter domínio sobre o modelo de negócio escolhido.

Tenha em mente que, durante esse período, o empreendimento deverá ser o centro de suas atenções.

O planejamento

Planeje os primeiros anos do seu negócio, considerando alguns detalhes importantes: expectativas reais de investimento e de retorno do capital investido, capital de giro necessário para o início da operação e prazo para utilização dessa quantia, perfil da equipe de trabalho, habilidades a serem aprimoradas ou incluídas na equipe através de contratações e estratégias para diferenciar-se da concorrência.

Mantenha-se sempre atualizado do que está acontecendo, não apenas no segmento de sua atuação, mas também em outros que podem impactar o seu negócio, e esteja pronto para revisar e ajustar essa estratégia periodicamente de acordo com os movimentos naturais do mercado.

A sociedade

Se você pensa em ter sócios, procure pessoas com perfis complementares ao seu. Se você tem um perfil administrativo, por exemplo, busque um sócio que tenha o perfil comercial. Se você é mais visionário ou estrategista, procure se associar a bons executores.

Esse equilíbrio é fundamental para o sucesso do seu negócio e essa dica pode ser aplicada também na hora de montar a sua equipe.

Toda pessoa possui um certo grau de empreendedorismo. Uns têm um perfil mais agressivo. Outros são mais conservadores. Esse fator determina, inclusive, qual o nível de risco que a pessoa se permite correr ao empreender.

Procure identificar, antes de começar seu próprio negócio, onde o seu perfil está situado nesse cenário. Tenha em mente que o conceito de empreendedorismo abrange muito mais do que ser o dono de sua própria empresa.

Também não basta ter uma boa ideia. Acima de tudo é preciso ter a capacidade de implementá-la. Você pode, inclusive, se tornar um empreendedor em seu emprego atual, trazendo novas possibilidades, agregando novas soluções ou até mesmo desenvolvendo uma nova área de negócios. Mãos à obra!

*Filomena Garcia, sócia-diretora da Franchise Store, é especialista em marketing e atua há 20 anos nas áreas de negócios, varejo e Franchising. É co-autora dos livros “Franchising – Uma estratégia para expansão de negócios e “Marketing para Franquias”

Fonte: UOL

Anúncios

Mulheres no comando das franquias

25/05/2012

*Por Filomena Garcia

Do UOL, em São Paulo

Já faz algum tempo que as mulheres conquistaram o seu espaço no mercado de trabalho. Elas agora avançam no comando das empresas. Porém, apenas recentemente, estão descobrindo o mercado de franquias.

Na pesquisa anual que realizamos na Franchise Store sobre o perfil dos interessados em franquias, identificamos que 40% das unidades comercializadas hoje são administradas por mulheres. Há 5 anos, essa margem não passava dos 28%.

As franquias, de início, eram vistas pelo mercado predominantemente masculino também como uma alternativa de ocupação para as mulheres que não estavam inseridas no mercado de trabalho.

Em pouco tempo, porém, o franchising se revelou um terreno promissor para as mulheres de espírito empreendedor, cujas habilidades naturais de gestão, resolução de conflitos e atenção aos detalhes não estavam sendo utilizadas em sua totalidade.

Ao longo dos anos, as mulheres foram abandonando seus papéis de coadjuvantes na administração dos negócios – muitas vezes, de apenas auxiliar o marido – para serem protagonistas de muitas histórias de sucesso.

Claro que o perfil da mulher empreendedora também mudou. Vindas principalmente de áreas como vendas, recursos humanos e marketing, as empreendedoras de hoje chegam com um histórico profissional de sucesso na bagagem, buscando nas franquias uma alternativa de negócio rentável e consideravelmente mais seguro, para atingir sua independência.

Compreendem a vantagem de investir em uma marca já conhecida, operando um modelo de negócio que já foi testado e comprovado pelo mercado.

Boas gestoras e parceiras comprometidas

À frente de uma unidade franqueada, lidando diretamente com todos os detalhes e atuando, ora como motivadora da equipe de vendas, ora como administrativo ou gerencial, as mulheres têm demonstrado ótima capacidade de adaptação, organização e bom relacionamento com os funcionários.

E isso, aos olhos dos franqueadores, é ótimo, pois muitos descobriram dentre elas gestoras eficientes e parceiras comprometidas com o sucesso da rede. Por esse motivo, é cada vez mais frequente o número de franqueadas que possuem mais de uma unidade.

As mulheres que optam por ser proprietárias de uma unidade franqueada, por sua vez, destacam a possibilidade de administrar o próprio tempo como uma das maiores vantagens que o mercado de franquias oferece, pois assim conseguem estar mais perto da família.

Outra vantagem mencionada é o suporte, já que as redes de franquias disponibilizam as ferramentas que possibilitam a operação e a gestão do negócio, além do apoio na localização do ponto comercial.

A entrada da mulher no universo das franquias aquece e enriquece o mercado como um todo, pois além de trazer novas abordagens para a gestão do negócio, também possibilita o surgimento de grandes redes em segmentos característicos do universo feminino, como centros de estética, calçados e acessórios, cosméticos e lingerie.

*Filomena Garcia, sócia-diretora da Franchise Store, é especialista em marketing e atua há 20 anos nas áreas de negócios, varejo e Franchising. É co-autora dos livros “Franchising – Uma estratégia para expansão de negócios e “Marketing para Franquias”

Fonte: UOL


CENTURY 21 Brasil Real Estate participa de feira de franquias no Uruguai

23/05/2012

Companhia terá estande no evento, que espera receber público de mais de 800 empresários e investidores

Após a abertura de sua primeira agência imobiliária em Punta Del Este, a CENTURY 21 Brasil Real Estate participa nesta semana da Feira Internacional de Franchising e Oportunidades de Negócios do Uruguai – Fifu 2012. O evento reúne marcas nacionais e internacionais e é considerado um dos maiores e mais importantes do mercado de franquias no país.

São esperados para a feira mais de 800 empresários e investidores interessados em franquias. A CENTURY 21 Brasil Real Estate será representada por sua operação uruguaia, a CENTURY 21 Uruguay Real Estate, com um licenciador habilitado para fornecer contatos e informações do Sistema no Uruguai, no Brasil e no mundo.

A difusão da Marca no Uruguai é o primeiro passo de um plano de expansão que pretende abranger outros países da América Latina. O objetivo, segundo o Co-Fundador da CENTURY 21 Brasil Real Estate, Tony Martinez, é ampliar as possibilidades de negócios dos franqueados entre os dois países.

“Nossa presença nos EUA e na Europa cria canais pelos quais os nossos parceiros podem fechar negócios por meio de outras agências do sistema”, diz. “Já na América do Sul, nossa presença será extremamente fortalecida com a expanção ao Uruguai, onde esperamos a crescer o nosso negócio em 15% em faturamento já estabelecido em nosso plano de ação agressivo”.

A operação no Uruguai é conduzida pelo mesmo grupo empresarial. “Acreditamos que nossa equipe representará excepcionalmente bem a marca no Uruguai. Juntos, nós também estamos negociando parceriasentre os franqueados de agências de ambos os países para aumentar a presença da marca, a capilaridade e o potencial da C21 no mercado imobiliário”, completa Martinez.

O Presidente & CEO da CENTURY 21 no Brasil e no Uruguai, Ernani Assis, reforça que, além da expansão dos negócios, a companhia espera difundir o profissionalismo no mercado imobiliário em território uruguaio, assim como têm feito no Brasil. “Temos o compromisso e uma responsabilidade muito grande com as famílias uruguaias e não mediremos esforços para, não apenas implementar boas práticas na indústria local, mas também fazer a diferença oferecendo atenção, profissionalismo, tranquilidade e segurança em todas as transações imobiliárias”.


Grupo BFFC compra a marca Yoggi

18/05/2012

Holding passa a ter seis marcas no portfólio

A Brazil Fast Food Corporation (BFFC), holding que controla e opera redes de restaurantes no Brasil, anuncia  a compra da marca de frozen iorgurte Yoggi. Com a aquisição, a BFFC passa a ter em seu portfólio as marcas próprias Bob´s e In Bocca al Lupo Café; a gestão no Brasil da rede Doggis e a operação de franquia das marcas Pizza Hut na Grande São Paulo e KFC nas praças do Rio de Janeiro e São Paulo.

A BFFC   vai alavancar, no Brasil, o crescimento da rede Yoggi pelo sistema de franquias. A expectativa é de abrir, ao longo dos próximos cinco anos, 150 novos pontos de venda.  A holding também irá oferecer, aos atuais franqueados da  Yoggi, a possibilidade  de operar as outras marcas que estão sob a gestão da BFFC.

 “A chegada da marca Yoggi na BFFC  concretiza a nossa estratégia de ter um portfólio completo de segmentos complementares na área de alimentação. Estamos satisfeitos em comunicar esta aquisição e de receber os franqueados Yoggi no nosso Grupo.”, informa o CEO da BFFC, Ricardo Bomeny.

 A Yoggi permanecerá sob o comando de Alexandre Tenenbaum, um de seus fundadores, que passa a atuar no Grupo BFFC exercendo o cargo de diretor da marca.  A holding  também indica que o executivo Bruno Grossman, co-fundador da Yoggi, assume, a partir de agora, o cargo de diretor da marca Doggis no Brasil. Ambos os profissionais respondem diretamente ao CEO Ricardo Bomeny.

” É uma grande satisfação fazer parte de um dos maiores grupos de varejo alimentar da América Latina. Os planos, de curto e médio prazo, para o futuro da marcaYoggi passam a ganhar novas dimensões a partir de todo o know-how, estrutura e experiência da BFFC, bem como em função da grande sinergia existente entre as marcas, que são totalmente complementares”, comenta Alexandre Tenenbaum.


Rede de clínicas odontológicas quer abrir 50 unidades em 2012

17/05/2012

O sócio – fundador da rede Ortodontic Center, Fernando Massi

A rede Ortodontic Center fechou o ano de 2011 com faturamento de R$ 25 milhões – um crescimento de 15% sobre o ano anterior – e 38 unidades. Para 2012, a intenção é inaugurar 50 novas franquias e ocupar territórios ainda não tão explorados pela marca, como os estados de São Paulo e Rio de Janeiro e a região Nordeste.

A primeira clínica foi fundada em 2002, na cidade de Londrina (PR), pelo dentista Fernando Massi e três colegas da faculdade. Os quatro tinham consultórios particulares e estavam insatisfeitos com os ganhos. Com um grande investimento na captação de clientes, os colegas atingiram em menos de um ano e meio cerca de 1.200 clientes.

Com o crescimento, foi preciso criar padrões para os procedimentos adotados na clínica. Uma consultoria ajudou a desenvolver um software exclusivo e um manual com toda a metodologia da empresa. Com essas padronizações, ficou mais fácil substituir colaboradores e garantir a mesma qualidade de atendimento.

Em 2005, surgiu uma oportunidade de expansão. Dois engenheiros, interessados pela lucratividade do negócio, queriam levá-lo para Florianópolis (SC). No mesmo período, um dentista quis levar a ideia para Presidente Prudente (SP). As duas unidades foram abertas dentro do sistema de franquia e deram certo. “Como já havíamos padronizado todos os procedimentos, foi mais fácil reproduzi-los quando aderimos ao franchising”, explica Massi. Desde então, a Ortodontic Center se expandiu principalmente pela região Sul do país. Hoje, a rede atende 15 mil pacientes por mês.

Novas franquias

A empresa recebe mensalmente cerca de 250 candidatos a franqueado. Para ser aceito, não é necessário ter formação em odontologia. Durante o processo seletivo, a empresa faz uma avaliação curricular (é necessário ter o ensino superior completo) e do perfil administrativo e uma batelada de testes de personalidade. Candidatos com experiência em gestão são mais valorizados.

Consultórios particulares em cidades com até 90 mil habitantes podem participar do Projeto Presence, que converte essas clínicas em franquias da marca Ortodontic Center.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios


Di Santinni lança franquia da marca Di Santinni Design

16/05/2012

 Grupo varejista de calçados estrutura sua franquia visando a expansão da marca

O Grupo Di Santinni – uma das maiores redes varejistas do país com 111 lojas – anuncia sua entrada no mercado de franquia com a marca Di Santinni Design (loja de sapatos e acessórios femininos para o público B e C), acompanhando as tendências de mercado de franchising – um estilo de negócio que cresceu 16,9% em 2011, segundo a Associação Brasileira de Franchising.

O faturamento das franquias do setor de acessórios pessoais e calçados em 2011 foi de R$ 5.477 bilhões, um aumento de 13% em relação a 2010, tornando-se o quinto segmento em faturamento no país, atrás de hotelaria e turismo (85,9%); móveis, decoração e presentes (35%); esporte, saúde, beleza e lazer (24,3%); negócios, serviços e outros varejos (14,9%) e alimentação (14,5%).

De acordo com a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), no período entre 2008 e 2009, houve um crescimento de 19% na constituição de novas redes franqueadas em shoppings e, atualmente, o Brasil é o terceiro maior mercado de franquias, depois apenas dos Estados Unidos e Canadá.

Segundo Priscilla Ortolani, gerente responsável pela estruturação do modelo de franquia do Grupo Di Santinni, o sistema de franquia é um investimento, em tese, mais seguro do que a abertura de um negócio independente. “A estatística mostra que 60% dos negócios independentes (não franquias) não chegam a completar três anos de vida. Já as franquias, apenas 5% a 8% delas fecham antes desse período”.

A Associação Brasileira de Calçados estima que o brasileiro compre, em média, três a quatro pares de sapatos por ano, aproximadamente 750 milhões de pares vendidos anualmente. Há mais de 20 anos, o consumo era de um par de sapatos a cada dois ou três anos. No entanto, o Brasil ainda tem muito potencial para crescer se considerar a média em mercados como Estados Unidos e Europa. A média americana em 2010 foi de oito pares de calçados comprados no ano, enquanto nos países europeus, de seis pares.

“Com as marcas Di Santinni, Di Santinni Design, Di Santinni.com e DS Footwear, o Grupo é um dos principais players do mercado”, afirma o diretor de negócios, Artur Tchilian.

A necessidade de aumentar a presença do Grupo em outras regiões e torná-lo referência na venda de sapatos nacional, fez com que fosse estruturado um modelo de franquias, prevendo já para 2012 a abertura de 10 novas lojas adequadas a esse sistema. “Nesse primeiro momento buscamos interessados para franquias em todo o Brasil, com foco em cidades com 100 mil habitantes, ou mais, e que tenham uma classe B e C, com o perfil de consumidor da Di Santinni Design”, explica Priscilla.

A franquia

O investimento inicial para montar o negócio é a partir de R$ 255 mil, que inclui a taxa de franquia, marketing inaugural, reformas e adequações do ponto comercial e capital de giro. Nessas proporções, calcula-se um payback do investimento depois de 24 meses.

As lojas poderão ser instaladas em shoppings de pequeno, médio e grande fluxo com tamanho de 50 a 100m² ou lojas de rua com 60 a 120m². E como estrutura, o franqueado Di Santinni Design terá suporte completo na operação e gestão do negócio, além de treinamento periódico da equipe de loja.

De acordo com a gerente responsável pela estruturação, para ser um franqueado da marca será avaliado a disponibilidade financeira do interessado, sua capacidade de investimento, seu perfil e capacidade administrativa, além da capacidade de seguir regras e padrões, identificação com o negócio e, sobretudo, ter características de empreendedor. Não é preciso ter experiência no ramo, pois o Grupo Di Santinni dará suporte operacional e de capacitação para atuar com vendas.

Para o futuro franqueado a tradição de mercado e a credibilidade da marca Di Santinni são os diferenciais para se investir nessa franquia. “Afora a tradição, há todo o know-how de mercado que o Grupo Di Santinni já tem”, explica Tchilian.  O Grupo Di Santinni possui algumas franquias de suas outras marcas e essas serviram de parâmetro para estruturar o conceito desenvolvido para a Di Santinni Design.

As franquias Di Santinni Design serão comercializadas pela Franchise Store, consultoria que auxilia o interassado a escolher a melhor franquia de acordo com seu perfil. A Di Santinni Design estará na ABF Franchising Expo2012, nos dias 13 a 16 de junho.


Grupo que comanda Forum e Colcci planeja novas franquias

14/05/2012

O AMC Têxtil prepara expansão com 60 novas lojas, com foco principal nas marcas Coca-Cola Clothing e Forum

O grupo AMC Têxtil, que controla as marcas Colcci, Forum, Tuffi Duek, Triton e Coca-Cola Clothing, anunciou seu plano de expansão com franquias. Até dezembro de 2012, a empresa pretende inaugurar 60 novas lojas das marcas.

De acordo com Nixon Pires, executivo de franquias do grupo, mais da metade das lojas será das marcas Coca-Cola Clothing e Forum. “O foco principal é a Coca-Cola Clothing, com 20 novas lojas, e a Forum, com doze unidades”, conta.

As áreas de prioridade neste momento são as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. “A Coca-Cola Clothing é uma marca mais despojada e as regiões quentes e litorâneas têm um resultado melhor”, diz. Com foco no público das classes A e B, o ticket médio de uma loja pode variar de 180 a 500 reais, conforme a marca.

A expansão, feita através da consultoria Franchise Store, prioriza lojas em shoppings, mas não descarta a possibilidade de buscar novos pontos comerciais. O grupo, criado nos anos 80, em Santa Catarina, deve somar 240 lojas com as novas unidades.

O investimento em uma franquia começa em 500 mil reais e a previsão de retorno é de 24 meses. O franqueado ideal para a marca é empreendedor, não precisa ter experiência em moda, mas deve se identificar com o assunto, e pode se dedicar parcialmente ao negócio.

Fonte: Exame.com